Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dias Felizes

Dias Felizes

O Gina

O ofício de caddie vale ouro, incenso e mirra ou vale a sensatez no lugar da ousadia disparatada quando tudo diz ataca e o caddie sussurra “aguenta os cavalos”. Numa prova de Juniores de 1987 levei o Gina como caddie. Na verdade foi ele a oferecer-se para a viagem com a sua bondade de sempre, fosse para partilhar a bucha de torresmos e presunto, os tacos recuperados ou a Zundapp de atrelado em que um dia nos fizemos à estrada nacional rumo ao Sul. O Gina era o meu companheiro de madrugadas no campo de treinos da Quinta da Marinha, o bate-bolas ou o driving, à inglesa. Nos primórdios do clube havia uma pequena barraca que servia de arrumos e guarita, e até de casebre para quando havia problemas em casa. Antes de ir para as aulas do liceu de S.João do Estoril pegava na bicicleta Tip-Top e ia da Avenida de Sintra, do Pai do Vento, pela marginal, fizesse sol, frio, chuva ou ventos rebeldes, como os há no Guincho. Sabia como estava o campo e a praia pelos carneirinhos no mar. O Gina estava sempre lá antes de eu chegar e mantinha-me os tacos sempre limpos e areados. Guardava-me ainda as bolas melhores e limpava-as para que tivessem o efeito mais próximo de uma bola de alto nível. Sentava-se num tronco enquanto eu batia um par de baldes fazendo do treino um ritual de estratégia. De vez em quando, levantava-se do tronco e dava-me um encontrão e dizia “dá cá o cajado” com voz de coronel. Pegava então no taco e aquecia o swing como se o taco fosse de baseball para me corrigir um pormenor no ataque à bola. O António Dantas e depois o Paul Saunders eram os meus misters, mas o Gina era a minha força kármica. Demorámos dois dias a chegar ao Algarve na Zundapp e fizemos amigos entre alentejanos e ciganos e guardas republicanos. Lembro-me de termos dormido numa pensão em Aljustrel e de o Gina estar preocupado com o asseio dos lençóis, pois eu podia ganhar piolos e seria o cabo dos trabalhos andar a coçar a cabeleira de querubim e distrair-me da prova. Levava um capacete de aviador e tampões para sobreviver ao ruído e duas sacas de batatas recheadas de sumaúma para não chegar ao torneio com uma espandilose. Lá chegámos, inteiros e tisnados como dois ciganos primos de sangue. Lembro-me de entrar em Vilamoura na Zundapp e estacionarmos a máquina ao lado dos bólides e de haver uns sururus. No campo, Gina apresentou-se de calções a rigor, polo e sapatos engraxados, de barba feita e cabelos alisados com gel como um gentleman. Um par de vezes evitou-me o desastre de um ferro a mais e um putt sem linha que ditaria um duplo-bogey. Mas foi a linha no 17 que levou a bola a entrar a meio do caneco que ditou a maestria do caddie e o aplauso da geral, pois o golfe é um desporto de primus inter pares.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D